O Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável, conforme o Decreto nº 4.131, de 22 de julho de 2010, congrega três segmentos de representação:

  • Representantes do poder público;
  • Representantes de entidades ou de instituições que já atuam nas áreas de desenvolvimento rural sustentável e agricultura familiar, geração, trabalho e renda, reforma agrária e áreas rurais;
  • Representantes da sociedade civil organizada.

Sua representação de três partes (tripartite) tem o seguinte formato:

Sete órgãos do Poder Executivo Estadual, que atuam nas áreas de desenvolvimento sustentável e agricultura;

Oito instituições, a convite, que atuam nas áreas de desenvolvimento sustentável e agricultura familiar, geração, trabalho e renda, reforma agrária e áreas rurais, sendo:

a) Cinco do Governo Federal;

b) Dois de instituições financeiras;

c) Um de Universidade Pública;

 

Quinze representantes, a convite, de entidades da sociedade civil organizada, sendo:

a) Um de micro e pequenas empresas;

b) Um dos trabalhadores rurais e assentados;

c) Um de Cooperativas no Estado;

d) Um do setor Agropecuário;

e) Um dos pescadores artesanais;

f) Um de entidade sem fim lucrativo prestadora de serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural – ATER;

g) Um dos Povos Indígenas;

h) Um de Comunidades Quilombolas;

i) Um de Associação de Mulheres Trabalhadoras Rurais;

j) Dois de entidades civis sem fins lucrativos, envolvidos com o desenvolvimento, a reforma agrária e agricultura familiar;

k) Três de economia solidária, hortifrutigranjeiro, artesãos, apicultores e extrativistas;

l) Um de Universidade privada.

Esta representação visa contemplar a diversidade e a pluralidade dos atores envolvidos nas diferentes dimensões do desenvolvimento rural sustentável (social, econômica, cultural, política e ambiental).